Muitos indivíduos acreditam erroneamente que a maioria das pessoas deprimidas não possuem energia. Mas nem sempre é o caso: algumas pessoas com depressão experimentam uma ou outra forma de ansiedade. São quadros opostos, porém, em um diagnóstico de depressão, pode haver quadros de ansiedade, assim como na ansiedade, pode haver quadros de depressão.

Entretanto, é importante diferenciarmos os sinais e sintomas. O diagnóstico de ambas não pode ser confirmado por exames laboratoriais ou anátomo-patológicos. Os diagnósticos são sindrômicos, ou seja, baseados num conjunto de sinais e sintomas, permitindo definir uma conduta e prognóstico:

Na ANSIEDADE, o sujeito experimenta sensações de apreensão e desconforto (sendo essa apreensão nem sempre originada de um motivo real, podendo ser um conteúdo fantasístico), pavor, alteração da libido, insônia, angústia, fadiga, sudorese, palpitações, dores de estômago, irritabilidade, aumento do grau de vigília e capacidade de ação do sujeito, podendo levá-lo à exaustão, não conseguindo relaxar. Faz-se necessário distinguir a ansiedade patológica de uma excitação/expectativa do sujeito frente à uma situação esperada ou desconhecida. Torna-se patológica quando traz danos à saúde, bem estar e prejuízo da rotina e atividades de vida diária do indivíduo.

Já na DEPRESSÃO há o humor deprimido do sujeito, apatia, tristeza, falta de motivação, idéias de culpa, insônia, irritabilidade, quadros de ansiedade com sudorese e palpitações, angústia, medo, perda do interesse, diminuição da concentração, auto estima, alteração do apetite, entre outros. Há casos também de pele envelhecida, cabelos e unhas fracos, dores difusas pelo corpo ou cabeça, mas sem alterações dos exames laboratoriais.
Nosso cérebro é formado por inúmeras células que se comunicam entre si através de substâncias químicas. Os neurotransmissores de um sujeito com diagnóstico de depressão não são produzidos de forma satisfatória (como a serotonina e dopamina), por isso aparecem os sinais e sintomas descritos acima (por exemplo: apatia, diminuição da concentração e desânimo). As causas da depressão podem ser diversas, como: gravidez, predisposição genética, psicose, situações desgastantes, Síndrome do Pânico, doenças sistêmicas (Hepatite, Pneumonia, Câncer, Diabetes, Lupus), doenças cerebrais (Esclerose Múltipla, traumatismos cranianos, Parkinson, Fibromialgia), Radioterapia, Estresse Pós Traumático, entre outras diversas causas e fatores.

Assim como o álcool e barbitúricos, depressão e ansiedade podem se tornar uma combinação mortal quando em conjunto. Se você tem alguma dúvida, procure sempre um profissional da área. No próximo post, orientações e dicas sobre tratamentos.

Rachel Bandeira – Equipe Nutrindo Ideais