Ao longo do dia, as pessoas dormem, trabalham, fazem diversas outras atividades e se alimentam. Mas você já parou para pensar no impacto que a alimentação tem no planeta e na sua saúde?

Ao consumir uma proteína animal como o bacon, você sabe o que está consumindo?

É na gordura do animal, assim como na nossa gordura, que são armazenadas todas as toxinas. A ração dos animais por exemplo, é transgênica. Agora pense em todas as coisas pesadas que esse animal consome, as rações, os antibióticos… Aí, você vai lá e consome a gordura dele.

Praticar uma alimentação sustentável significa dizer que a produção, escolha e preparo dos alimentos são feitos de forma a equilibrar os recursos naturais, beneficiar a saúde e agradar o paladar.

Existem diversas formas de colocar em prática a alimentação sustentável:

Para começar, é importante deixar geladeira e dispensa bem organizadas, para não comprar coisas demais na hora de ir ao supermercado. Grande parte do desperdício de comida no nosso país vem de uma cultura errônea de que “é sempre melhor sobrar do que faltar”. A abundância está muito enraizada em nossa cultura. Felizmente não passamos por grandes guerras, nem temos desastres naturais. Possuímos um solo muito fértil e temos a ilusão de que nossas águas e terras jamais acabarão, mas é aí que estamos errando.

Atentar para a origem dos alimentos e sua forma de produção é um dos primeiros passos para se alimentar sem prejudicar o meio ambiente. Isso pressupõe comprar alimentos com menos embalagens, sem conservantes. Dispensar as comidas para viagem que são cheias de sacolas, saquinhos e guardanapos. 

Opte por alimentos orgânicos sempre que possível, os orgânicos são aqueles alimentos produzidos em sistemas que não utilizam agrotóxicos ou insumos artificiais em sua produção, como inseticidas, herbicidas, fungicidas, nematicidas ou adubos químicos, além de não serem organismos geneticamente modificados (OGM), como os transgênicos.

Alimentos sazonais também são uma ótima opção. A natureza não produz bananas ou melancias o ano inteiro. Então de que forma é possível encontrar sempre as mesmas hortaliças, legumes, verduras e frutas nos supermercados? Ora, cultivando de maneira a induzir a frutificação. Isso significa usar uma grande quantidade de água e agrotóxicos e lançar poluentes no solo.

Para evitar esse tipo de prática, fique atento à temporada e compre somente o que estiver dentro da estação. No verão, por exemplo, prefira frutas e legumes como figo, manga, maracujá, melancia, abobrinha e pepino. Já na primavera, opte por acerola, jabuticaba, mamão, alcachofra e espinafre. No outono, dê preferência ao abacate, caqui, maça nacional, banana maça, berinjela, brócolis e chuchu. No inverno, leve para casa morango, tangerina, laranja, mandioca, couve-flor e batata-doce. Você estará optando por alimentos mais saudáveis, que agrediram menos a natureza e que certamente terão um sabor bem melhor. Respeitar o tempo de cada alimento é saudável e sustentável!

 

Dica do dia:

No snap do insta e no próprio snapchat, falei um pouco sobre essa questão do impacto ambiental e do papel fundamental de nós nutricionistas ao prescrevermos alimentos que podem ajudar bem como acabar com o meio ambiente, da importância dessa consciência macro e da necessidade de haver mais individualização de perfis genéticos para não cairmos na banalização de condutas e “dietinhas”.

O brasileiro e a população em geral estão precisando de mais consciência alimentar e, nós nutris, de mais visão econômica, política e ambiental.

Beijos,
Luna